Follow by Email

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

Evangelho de Cristo e não de Homens

Tenho me espantado com as últimas notícias que circulam pelos meios eletrônicos, principalmente.
Inundações, guerras, terremotos: parece mesmo que estamos nos aproximando do fim (Mt. 24.4-30)
Mas o que mais prova esta teoria, é o fato de vermos a banalização do Evangelho.
Valores invertidos, servos assumindo posição do Senhor, dando-lhe hora e data para que as coisas aconteçam.
Templos lotados de pessoas que desejam servir-se de Deus, mas que não desejam servi-lO.
Onde está o ensino do verdadeiro Evangelho?
Na verdade, está cada vez mais raro, já que santidade e vida no altar não é o que o povo deseja consumir.
E, como muita gente busca apenas um nicho de mercado, o prato de lentilha parece ser delicioso e a primogenitura não tão importante para o momento. (Gn 25.29-34)

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Aproveitando as Oportunidades

Mc 10

46 ¶ E foram para Jericó. Quando ele saía de Jericó, juntamente com os discípulos e numerosa multidão, Bartimeu, cego mendigo, filho de Timeu, estava assentado à beira do caminho

47  e, ouvindo que era Jesus, o Nazareno, pôs-se a clamar: Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim!

48  E muitos o repreendiam, para que se calasse; mas ele cada vez gritava mais: Filho de Davi, tem misericórdia de mim!

49  Parou Jesus e disse: Chamai-o. Chamaram, então, o cego, dizendo-lhe: Tem bom ânimo; levanta-te, ele te chama.

50  Lançando de si a capa, levantou-se de um salto e foi ter com Jesus.

51  Perguntou-lhe Jesus: Que queres que eu te faça? Respondeu o cego: Mestre, que eu torne a ver.

52  Então, Jesus lhe disse: Vai, a tua fé te salvou. E imediatamente tornou a ver e seguia a Jesus estrada fora.

Introdução
Diante da crise e das dificuldades, muitas vezes desfalecemos e desejamos nunca ter existido.

E este sentimento não acontece somente para aqueles que não estão em Cristo, mas tbm para muitos dos que fraquejam e tem seus olhos voltados para a tribulação que  se passa.

É compreensível, tanto para os de fora como para os de dentro. Muitas vezes nos sentimos entristecidos por não poder ajudar .

Queremos que a miséria acabe, que a fome acabe,  que as drogas desapareçam, que o álcool  utilizado seja apenas do tanque de nosso carro.

Queremos uma casa para os sem-teto, os que vivem em casebres cobertos com sapé e suas paredes de barro ou madeira cheias de frestas em podem passar insetos e até pequenos animais nocivos à saúde, em especial de nossas crianças.

Queremos que as lonas plásticas ( sobras) de muitas coberturas de casas feitas de papelão dessem lugar a uma cobertura de telhas e paredes de tijolos, com portas e janelas adequadas.

Queremos que o atendimento nas filas para atendimento em hospitais fosse mais humanizado e que todo descompromisso com a saúde humana fosse banido do meio hospitalar.

Queremos que os pobres possam cursar a faculdade, não por ser negro, mas por ter aprendido e se empenhado enquanto estudava nos cursos anteriores.

Queremos no final do mês, ter dinheiro, resultado do trabalho, do desgaste de nossa vida ser recompensado pela mão de obra trabalhada de maneira honesta.

Queremos um mundo melhor.

Entretanto, pouco ou quase nada fazemos para mudar a esta realidade.


Imaginamos sempre que a responsabilidade é do outro.

Deixamos a cargo de nossos representantes fazerem o que julgam certo, sem sequer questionarmos suas atitudes.

É mais fácil e cômodo reclamarmos e fazermo-nos de vítimas. Alcançar a piedade e a misericórdia parece ser muitas vezes a saída para muitos.

O filho considera que seus pais tenham a obrigação de cuidar deles até se casarem.

E, alguns, mal-intencionados ou não, vivem adiando este momento, pois não querem perder esta oportunidade de dependência.

Os pais pensam que se educarem seus filhos já estarão fazendo muito. Afinal alimentar e cuidar é o suficiente, em sua visão.

Muitos ainda pensam que seus filhos são sua segurança na velhice, sua previdência privada.

Ocorre que  viver  é muito mais do que esperar pelo outro.


O fato de se entregar o peixe, ao invés de ensinar a pescar parece ser mais rápido e prático, mas não gera futuro transformado.

Para mudar a vida, é necessário esforço, empreendimento e dedicação naquilo que desejamos alcançar.

AT - As oportunidades surgem em todos os momentos, mas somente os que estão atentos, poderão usufruir de suas bênçãos.


E este é o tema de hoje: Aproveitando as oportunidades.


ST – Como posso aproveitar as oportunidades?

  1. Para aproveitar as oportunidades, é necessário estar atento. – V30a
          Conhecer o que está em minha volta

  1. Pensar sobre o assunto – discutir – v.30b
          Há uma possibilidade para mim. Jesus está passando
 

  1. Agir -  os mendigos clamaram – 30c
    1. Reconhecer seu estado
    2. Esvaziar-se – expor sua limitação (tem compaixão de mim)

  1. Vencer as barreiras – v 31
         Mau tempo, frio, calor, testes seletivos, vergonhas, timidez, medo de pessoas, de se expressar,entre outros


  1. Deixar para trás as muletas – V.32,33
Talvez as esmolas tenham sido a manutenção da vida daqueles mendigos até aquele momento. Mas algo estava para ser mudado: Jesus estava passando...